Ministra Iriny Lopes quer proibir propaganda com Gisele Bündchen | Humor Político

Ministra Iriny Lopes quer proibir propaganda com Gisele Bündchen

propaganda de gisele ministra quer proibir 300911 humor politico Ministra Iriny Lopes quer proibir propaganda com Gisele Bündchen

A Secretaria Especial de Política para Mulheres (SEPM) enviou ofício ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) pedindo para que seja retirada do ar a campanha publicitária Hope ensina, da empresa de lingerie Hope. Ao mostrar a modelo Gisele Bündchen de calcinha e sutiã, segundo a secretaria, a propaganda “promove o reforço do estereótipo equivocado da mulher como mero objeto sexual”. O diretor da empresa, Sylvio Korytowski, também foi notificado. - por Tiago Recchia para a Gazeta do Povo

Sobre Humor Político

O Dia a Dia da nossa famigerada Política Nacional e Internacional com muito Humor, através de Charges, Tiras, Cartuns, Montagens e Vídeos!!
Esta entrada foi publicada em Brasil e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

2 respostas a Ministra Iriny Lopes quer proibir propaganda com Gisele Bündchen

  1. Num país tropical, com sol o ano inteiro e vastas praias… e que a mulherada anda quase sem roupa, o que essa ministra de ‘PIIII’, está fazendo? O que é que tem aparecer quase pelada na TV? Nem é apelativo, como esses programas de sábados à tarde…apelação sexual berrante! Com tantos problemas, que todos sabem, nesse país enorme, por que eles não fazem algo para manter os bandidos na cadeia, principalmente aqueles que batem e matam suas mulheres e estupram seus filhos? Meu Deus, quanta indignação! Tô muito P com essa falsa moralista! Agora, é que me sinto um objeto!

  2. Otiliia disse:

    Não é o fato de aparecer “pelada na TV”, e sim a forma desrespeitosa com que as mulheres são tratadas, a peça publicitária em questão coloca a mulher numa posição subalterna. Reinventa um modelo social baseado na reificação feminina. A ministra está correta, ela representa a indignação de muitas mulheres que se sentiram ofendidas e ultrajadas por serem representadas como cidadãs de segunda categoria. É o conteúdo da propaganda e não o formato que indignou todas nós.

Deixe uma resposta