Tiro no pé


O ataque a tiros contra a caravana do Lula é notícia para dias, semanas ou meses. Vai ser assunto da eleição presidencial. Hoje, todo mundo lamenta e condena o ato, com razão. Mas também tem gente que estranha o fato, principalmente por causa do local onde ocorreu. Quedas do Iguaçu abriga o maior agrupamento de sem terras do Brasil. Fica ali o assentamento Celso Furtado, que tem 1.100 famílias do MST. Ao todo, orbitam na área cerca de 10 mil pessoas que poderiam ser consideradas do exército do Stédile, entre soldados e oficiais de alta patente. Por que, então, o ataque ocorreria ali, na antessala desta turma? Seria o autor um desavisado ou ação foi proposital, para amplificar a confusão?
Autoridades federais estão intrigadas com os tiros na caravana de Lula. Isso porque, pelo aspecto das perfurações, os disparos devem ter sido feitos à curta distância e com o veículo parado.Essas autoridades dizem que, quando um veículo é atingido em movimento, a marca da bala deixa um aspecto de rasgo ou “respingo”. No entanto, as marcas mostradas são redondinhas. E os tiros parecem ter sido disparados de perto, porque o buraco é do mesmo diâmetro da bala. Quando é de longe, o buraco é mais largo, em razão da expansão da energia.

Esta entrada foi publicada em Lula. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comente