Além de governador e prefeito, Bolsonaro quer incluir síndico, manicure e outros profissionais na CPI da Covid. Veja lista completa.

A lista não inclui militar aposentado, tuiteiro, astrólogo, pastor e nem dono de loja de chocolate



TRABALHADOR LIBERAL (NA ECONOMIA) – Governador, prefeito, síndico, comodoro, diretor de escola de samba, adestrador de cachorro, alfaiate, antiquário, chapeleiro, terapeuta tântrico, dona de armarinho, editor de jornal, livreiro, instrutor de autoescola, manicure, ourives, pizzaiolo, pipoqueiro, sorveteiro, tatuador, vassoureiro e vidraceiro de automóveis. Essas são algumas das categorias que o presidente Jair Bolsonaro quer incluir na CPI da pandemia, para além de prefeitos e governadores.

“Não sou contra uma CPI, mas tem que apurar a responsabilidade dessas pessoas aí, se não cai tudo em cima de mim”, reclamou Bolsonaro, em mais uma gravação telefônica divulgada pelo araponga oficial do governo, o senador Jorge Kajuru. “Qual é a responsabilidade do estofador pro avanço do vírus? Da quitandeira? Do mergulhador submarino? Tem que apurar isso daí também, porra!”

“A ideia é desburocratizar e dar acesso”, explicou o ministro da Eugenia, Paulo Guedes. “Antes só o político podia fazer parte de uma CPI. Agora o governo está levando essa oportunidade a 12, 13, 14, 20, 55, 220 milhões de pessoas.”

Esta entrada foi publicada em humor, Sátira. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.