Bolsonaro escala Mourão – e apenas Mourão – para enfrentar todo o exército americano

O governo não tem um plano de emergência caso seja necessário resgatar o soldado Mourão (Pedro Ladeira/Folhapress)

BAÍA DOS GADOS – “Quando acaba a saliva a gente parte pra pólvora. E quando acaba a pólvora, parte pro Mourão, tá ok?” Foi assim que o presidente Jair Bolsonaro anunciou a convocação do general da reserva Hamilton Mourão para ser o exército de um homem só na guerra iminente a ser travada entre o Brasil e os Estados Unidos.

“Se eu pudesse eu demitia o cara lá que tá levando o comunismo pra Amazônia. Mas como ele é indemissível, eu escalo ele pra essa guerra daí, tá ok?”, explicou Bolsonaro. Mourão terá à disposição 200 latas de tinta branca e 400 mil comprimidos encalhados de cloroquina, produzidos no começo do ano pelo laboratório do exército. “Se a gente ganhar, mérito da cloroquina. Se perder, a culpa é do Mourão”, explicou o presidente, aproveitando para avisar que a patente de seu vice foi rebaixada para a de soldado-raso.

Mesmo não entrando em combate, as tropas receberão um reforço. O presidente convocou seu filho Jair Renan, o Zero Quatro, para dar treinamento às forças especiais. “É negócio de Playstation que joga com aquele óculos que é igual a realidade, tá ok?”, explicou Bolsonaro. “Ele já ganhou três campeonatos do condomínio, então tem competência pra isso daí.”

Esta entrada foi publicada em humor, Sátira. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.