Carlos Wizard muda de nome para Carlos CCAA para fugir de depoimento

Apesar de ter ido se vacinar nos Estados Unidos, Wizard continua um entusiasta do uso da cloroquina no Brasil

MAGIC KINGDOM – “The book is not on the table”, disse o bilionário Carlos Wizard, sócio-fundador do Gabinete Paralelo, ao justificar sua ausência na CPI que investiga as 500 mil mortes promovidas pelo governo Bolsonaro por negligência no controle da Covid-19. Alegando estar nos Estados Unidos – para onde foi PARA SER VACINADO -, Wizard aproveitou para trocar seu nome para Carlos CCAA, de forma a não ter o passaporte apreendido pela Interpol.

“Quem me conhece sabe que Wizard é só um nome artístico, que na verdade eu me chamo Carlos Martins”, explicou o ex-Carlos Wizard, para justificar sua transição nominal. “Então daí a mudar para Carlos CCAA não foi complicado.” Wizard contou que chegou a cogitar mudar o nome para Carlos Cultura Inglesa ou Carlos Aliança Francesa. “Mas um tinha a palavra ‘cultura’ e o outro remetia à França, o que poderia desagradar o presidente Bolsonaro.”

Sobre as acusações da CPI, Carlos CCAA diz que não existe nenhum tipo de gabinete paralelo. Afirma ainda que se encontrava constantemente com o presidente pois estava dando aulas particulares de inglês para ele durante os últimos dois anos. “Bolsonaro mostrou um avanço tremendo e vocês podem comprovar isso ouvindo a pronúncia da expressão ‘Tá ok?’ do presidente. It’s perfect.”

O professor e aprendiz de cientista maluco disse também que Bolsonaro demorou tanto a responder à Pfizer pois queria dar uma resposta em inglês pra não fazer feio com a farmacêutica.

Esta entrada foi publicada em humor, Sátira. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.