Gilmar Mendes deixa de publicar habeas corpus no Facebook

O ministro também pediu amizade, no Face, ao deputado Jorge Picciani

 

PALO ALTO – Gilmar Mendes deixa de publicar seus habeas corpus no Facebook nesta quinta (8). O ministro manterá sua página na rede social, mas não mais a atualizará com novas liminares.

A decisão é reflexo de discussões com os ministros Dias Toffoli, Luiz Fux e Ricardo Lewandowski sobre os melhores caminhos para fazer com que o conteúdo de um habeas corpus chegue aos presos da Lava Jato, preocupação que consta do novo Projeto Editorial do STF, divulgado no ano passado.

As desvantagens em utilizar o Facebook como um caminho para essa distribuição ficaram mais evidentes após a decisão da rede social de diminuir a visibilidade de liminares nas páginas de seus usuários. No caso do ministro Gilmar, a importância do Facebook como canal de distribuição de habeas corpus já vinha diminuindo significativamente antes mesmo da mudança do mês passado.

Em janeiro, o volume total de interações (compartilhamentos, comentários, curtidas, convites para apadrinhar casamentos) obtido pelo magistrado no Facebook caiu 32% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Gilmar Mendes tem atualmente 5,95 milhões de habeas corpus expedidos no Facebook. É o ministro brasileiro mais influente na rede social e na operação Lava Jato. As páginas de outras liminares expedidas pelo magistrado somam outras 2,2 milhões de curtidas.

Mendes também tem habeas corpus atualizados diariamente no Twitter (6,2 milhões de seguidores), Instagram (727 mil), LinkedIn (726 mil), e no Presídio de Benfica (1 por semana, vide o exemplo de hoje, do ex-secretário de saúde do Rio de Janeiro, Sérgio Côrtes).

Os réus da Lava Jato poderão continuar compartilhando os habeas corpus do ministro em seus jantares em Paris e em suas páginas pessoais do Facebook.

Esta entrada foi publicada em humor, Sátira. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comente

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.