Onyx Lorenzoni: “Minha dor foi o Stan Lee não ter feito um vilão com meu nome”

“A produção de vilões era muito amadora no Brasil, mesmo durante o governo Temer, mas isso vai mudar”, afirmou Onyx Lorenzoni, que pediu para a imprensa passar a chamá-lo de Dr. Onyx

“A produção de vilões era muito amadora no Brasil, mesmo durante o governo Temer, mas isso vai mudar”, afirmou Onyx Lorenzoni, que pediu para a imprensa passar a chamá-lo de Dr. Onyx

LIGA DA TRANSIÇÃO – “Tá bom, Galactus até era um bom nome”, afirmou o futuro ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, durante uma coletiva de imprensa realizada sobre a prancha de bodyboard do presidente eleito Jair Bolsonaro. “Mas vamos combinar que fora esse, nenhum outro vilão do Stan Lee tinha um nome tão bom quanto o meu. E vamos combinar que também que não me faltava currículo para ocupar o cargo. A solução pra essa injustiça é dar subsídio para a criação de vilões 100% brasileiros.” Em discurso inflamado, Lorenzoni aproveitou para ressaltar a contribuição nacional para o sucesso de Lee: “Essas revistas em quadrinhos são impressas em papel que vem da celulose brasileira. É mais um benefício do desmatamento que tentam esconder”.

A morte recente do autor e criador da Marvel revelou outros admiradores dentro do futuro time de Bolsonaro. “Sempre vi os vilões de quadrinhos como fonte de inspiração”, disse o senador em fim de mandato Magno Malta, que pretende dar entrada num processo para mudar seu nome para Magneto Malta. “Gosto também do Doutor Destino, do Loki e do Duende Verde, que já vem até na cor do patriotismo. É o que sempre digo para o Jair: ‘Os nossos duendes jamais serão vermelhos’.”

O futuro ministro da Ciência e Tecnologia, o Astronauta Brasileiro Marcos Pontes, também expressou seu pesar: “Stan Lee foi um gênio que mostrou novos universos a milhares de jovens, muitos deles hoje cientistas. Eu mesmo tentei criar uma história para a editora dele, sobre um astronauta que vai ao espaço e, ao retornar, acaba caindo em uma dimensão paralela com um governo distópico em que um ex-ator pornô vira político conservador”, contou Pontes, “Não deu tempo de publicar pela Marvel, mas já temos conversas em andamento para ser publicada na coluna do Merval.”

Esta entrada foi publicada em Sátira e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comente

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.