Para evitar prisão, Rogério 157 se filia ao PSDB

45 e 157

 

AVENIDA VIEIRA SOUTO – Cercado por policiais militares e tropas do Exército por todos os lados, parecia certo que o líder do levante que dominava a Rocinha, o entreposto de drogas mais rentável da cidade, veria o sol nascer quadrado ao lado do ex-governador Sergio Cabral. No entanto, o ex-braço direito de Nem e atual “dono” do morro tinha planos diferentes – reservara para aquela noite a suíte vice-presidencial do luxuoso Hotel Fasano, na praia de Ipanema.

A confiança de Rogério 157 não se devia ao arsenal de seus homens ou à argúcia de seus advogados, mas à mudança de facção que decidira realizar àquela manhã. Acossado pelas forças da lei, de um lado, e cortejado pelas facções que disputam o território do município carioca, de outro, um telefonema interceptado pela inteligência da Polícia Federal parece ter selado a decisão do então traficante. Embora 157 tenha demonstrado dificuldade em entender seu interlocutor – que recorria a um vocabulário de baixo calão e imagens vulgares para efetuar sua proposta – a promessa de helicópteros “à prova da lei” e dois habeas corpus por ano atraiu o ex-gestor da Rocinha. Dentre todas as facções a disputar o seu passe, Rogério 157 escolheu o PSDB.

Escoltado por jovens do MBL e rebatizado como Rogério 45, o empresário concedeu entrevistas às mais destacadas colunas sociais da cidade ao descer o morro e rumar sem incômodos para Ipanema, onde pretende “recomeçar”.

Segundo foto e texto publicados em seu Instagram, 45 considerou entrar no ramo de ônibus, mas foi aconselhado a se “manter longe da ilegalidade”.

Esta entrada foi publicada em Sátira. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Comente